8 de out de 2015

Contra aquecimento global, petição internacional recebe apoio do Regional Sul 4 da CNBB



Seguindo a adesão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) à Petição Católica pelo Clima, o Regional Sul 4 iniciou a divulgação da campanha em Santa Catarina. Trata-se de uma solicitação para que os líderes mundiais, na 21ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP21), “reduzam drasticamente as emissões de carbono para que o aumento da temperatura global não supere o perigoso nível de 1,5º C, e que ajudem os países mais pobres a resistir aos impactos das mudanças climáticas”.
Em carta divulgada hoje, 07, o regional “exorta as pessoas católicas e todas aquelas de boa vontade a assinarem esta importante petição, pensando no cuidado e proteção da natureza, presente de Deus à humanidade”. No primeiro dia de outubro, em Brasília, a CNBB, fez a mesma solicitação ao lembrar, em carta, seu histórico engajamento “na luta em defesa dos mais pobres”.
O Regional Sul 4 lembrou, na carta, eventos climáticos que afetaram severamente Santa Catarina “resultantes desse modelo de desenvolvimento predatório e insustentável”. Em 2004 o Furacão Catarina, em 2005 a pior seca em 42 anos, em 2008 e 2011 enchentes no Vale do Itajaí, e em setembro de 2009, tornados em três regiões do Estado.
O Presidente regional, dom João Francisco Salm e o Secretário Executivo, padre Luciano dos Santos, assinaram a petição, ontem, na sede da entidade, onde há um ponto de coletas de assinaturas. No site do Movimento Católico Global pelo Clima é possível baixar as folhas de assinaturas e endossar a petição on line.
O movimento
A Petição Católica pelo Clima é liderada pelo Movimento Global Católico do Clima, uma coalizão internacional de católicos leigos, religiosos e clérigos, teólogos, cientistas e ativistas do Brasil, Argentina, as Filipinas, o Reino Unido, Quênia, Austrália, Estados Unidos, e outras nações. Entre as organizações aliadas estão a CNBB, Ação Franciscana de Ecologia e Solidariedade, Irmãos Maristas internacional, Conferência dos Bispos Católicos das Filipinas.
O papa Francisco endossou a iniciativa quando lhe foi apresentada pelo arcebispo de Manila, nas Filipinas, e presidente da Caritas Internacionalis, cardeal Luis Antonio Tagle, em janeiro deste ano, por ocasião da visita papal ao país.
Leia o texto na íntegra:

Por meio da Encíclica Laudato Si, o Papa Francisco nos faz um apelo contundente: “O urgente desafio de proteger a nossa casa comum inclui a preocupação de unir a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral, pois sabemos que as coisas podem mudar” (LS, 13).

Como resposta a esse apelo, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) tornou-se parceira do Movimento Católico Global pelo Clima. Essa organização lidera uma petição a ser entregue aos líderes mundiais na 21ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP21). O pedido é que reduzam drasticamente as emissões de carbono para que o aumento da temperatura global não supere o perigoso nível de 1,5º C, e que ajudem os países mais pobres a resistir aos impactos das mudanças climáticas.

Consideramos a iniciativa necessária, porque, entre outras consequências globais, vemos as mudanças climáticas, resultantes desse modelo de desenvolvimento predatório e insustentável, atingir severamente nosso Estado. Nos últimos anos, tivemos vários desastres ambientais em Santa Catarina: em 2004 o Furacão Catarina, em 2005 a pior seca em 42 anos, em 2008 e 2011 enchentes no Vale do Itajaí, e em setembro de 2009, tornados em três regiões do Estado.

Por isso, o Regional Sul 4 da CNBB, SC, exorta as pessoas católicas e todas aquelas de boa vontade a assinarem esta importante petição, pensando no cuidado e proteção da natureza, presente de Deus à humanidade.

As assinaturas podem ser feitas no site https://catholicclimatemovement.global, onde também se podem baixar formulários para impressão e coleta de assinaturas.

Se nos empenharmos juntos, faremos um bem inestimável a toda a humanidade e Deus nos abençoará.

Dom João Francisco Salm
Presidente do Regional Sul 4 da CNBB


Fonte: CNBB/ Regional Sul IV

0 comentários:

Postar um comentário